Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios

Situado em uma pequena cidade paraense no coração da Amazônia, Cauby ganha a vida como fotógrafo. Em breve, ele fará amizade com a atraente esposa do pastor Ernani, Lavínia, e terá um caso – boa parte do filme é dedicada ao relacionamento apaixonado deles. Também aprenderemos sobre a bagagem de Lavínia com seu passado – como ela conheceu seu marido, seu amor contínuo por ele e seu papel de apoio.

Um clima abafado e mais sensual intensificam o melodrama erótico absurdamente intitulado “Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios”. A segunda adaptação da dupla de direção brasileira Beto Brant e Renato Ciasca de um romance de Marçal Aquino, após o título do Sundance de 2002, “The Trespasser”, é novamente mais notável por sua atmosfera – aqui, impressionantemente úmida e quente para trotar – do que a narrativa carregada de flashback , que, entre exercícios sexuais vigorosos, consegue ser excessivamente simbólico e ensaboado. Para além dos territórios lusófonos, o festival das madrugadas e programas de TV (de preferência assistidos em hotéis decadentes em locais exóticos) são as melhores apostas do pic.

Em uma vila remota da Amazônia, uma mulher além da bela, Livinia (Camila Pitanga), é casada com um pregador livresco (Zecarlos Machado) por motivos que só aos poucos vão sendo revelados. Seu bem-estar espiritual assegurado, é sua libido que precisa de cuidados; entra um belo fotógrafo (Gustavo Machado) disposto a dar a mão proverbial.

Um encontro extraconjugal extremamente quente acontece cedo e com frequência, com Livinia obviamente dividida entre as necessidades do corpo e da alma. Cameraworks de cenas de sexo errantes e cores saturadas – pense no céu rosa-flamingo – contrastam com flashbacks e cenas de pregação mais estáticos, iluminados de forma plana e leitosa. Agir com base no dinheiro.

O filme – embora lindamente rodado e apropriadamente fumegante – então mergulha no território do melodrama e, como qualquer boa novela, a história se torce e se transforma em assassinato, prisão, recriminação e o desaparecimento de Lavinia.

Camila Pitanga é marcante como Lavinia, e certamente é chamada para retratar uma mulher em profunda turbulência nas cenas de flashback, embora nas sequências de sua obsessão sexual por Cauby ela tenha pouco a fazer além de tirar a roupa e olhar pouco preocupada .

Mas os co-diretores Beto Brant e Renato Ciasca aproveitam ao máximo sua marcante atriz principal e trazem a quantidade certa de tensão sexual quente para o que é em essência um melodrama antiquado.

Foi exibido pela primeira vez em 2011 Festival do Rio em 11 de outubro de 2011, e foi o filme mais visto sobre Pedro Almodóvar é La piel que habito . No Rio, Camila Pitanga ganhou o Prêmio de Melhor Atriz, e foi premiada como Melhor Filme no 37º Festival de Cine Iberoamericano de Huelva

Elenco: Camila Pitanga as Lavínia, Gustavo Machado as Cauby, Zecarlos Machado as Ernani, Gero Camilo as Viktor Laurence, Antonio Pitanga as Isaías, Adriano Barroso as Polozzi, Magnólio de Oliveira as Chico Chagas, Simone Sou as Xamã.

Tempo de execução: 100 minutos
Despesas R $ 4 milhões
Bilheteria R$538,578

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

INSCREVA-SE

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner