Ter um grande salário não significa ter liberdade financeira

Olá, hoje vou falar sobre um dos assuntos que mais estudei nessa última década e continuo sempre estudando. Pois, sempre aparecem coisas novas para aprender. Quero falar sobre a diferença entre alguém que ganha uma renda “imensa”, porém, gasta tudo. E outra que ganha uma renda menor e separa uma parte para montar seu patrimônio. “Fulano de tal é rico, não se preocupa mais com dinheiro”
Pensamos sempre que alguém com carrão do anoou em uma super casa/apartamento, seja uma pessoa “livre”. Pois, assim, esta pessoa viveria uma vida cheia de confortos. Mas, será que ela é realmente livre? Será que ela pode jogar tudo pro alto e ter um “fluxo de caixa” pra sustentar esse padrão?
Esta questão é muito complexa. Um dos problemas que dificulta a pessoa é praticar erroneamente o gerenciamento de dinheiro. Por exemplo, uma pessoa ganha um salário de 15.000, que, na minha opinião, é muito alto. Mas desses 15.000, ela usa todo o dinheiro para o pagamento mensal de suas despesas. Leia também   O Brasil pode se tornar uma potência econômica?
Por outro lado, uma pessoa ganha R$ 6.000. Destes, todos os meses ela economiza R$ 2.000 e investe esse dinheiro economizado. Após vários anos, essa pessoa que investiu R$ 2.000 por mês com muita disciplina está com um patrimônio maior. Com esse patrimônio, ela tem renda passiva (renda sem trabalho) para pagar suas despesas mensais. Assim, ela permanece com o patrimônio aumentando ano a ano. Enquanto a pessoa que ganha 15.000 reais ainda está presa ao trabalho. Em outras palavras, um já está “aposentado”. O outro ainda tem que trabalhar, para pagar suas despesas mais altas, já que sua gestão financeira foi desequilibrada. A prisão das dívidas: o “não-poupador”
Esse tipo de “prisão” que a pessoa se coloca quando não economiza nada, parte de alguns princípios, em minha visão: Leia também   Grupamento de ações: entenda o que isso significa
Primeiro – que ela ama seu trabalho e quer sempre estar trabalhando. Nesse caso não há problema em gostar de trabalhar e executar isso até seu último dia de vida. A questão aqui é: se surgir desemprego ou algum problema de saúde, a pessoa entrará em dívidas. Ou ainda, quando se aposentar, receberá bem menos, pois, sabemos como anda a previdência…. Até mesmo os controlados passarão problemas quando se aposentar, pois verá a renda diminuir bastante.
Segundo – Quem possui mentalidade Carpe Diem sem pensar no amanhã. gasta tudo que ganha por prazer imediato. Porém, o amanhã chega para todos, é inevitável. Assim, se você for demitido ou se aposentar, entrará em dívidas, pois, possivelmente terá enormes gastos financeiros. Leia também   Governo faz operação para levar milho para Norte, Nordeste e Centro-Oeste
Terceiro – Pessoas que ligam para status. São as que mais sofrem caso sejam demitidas ou percam sua renda, pois seu padrão de vida mudará. Geralmente não se adequam e continuam á “viver de aparências”. Logo, elas continuarão gastando e acumulando dívidas para manter as aparências.
Para combatermos o mal pela raiz e tenhamos liberdade financeira, precisamos desenvolver bastante nossa educação financeira. Em outras palavras, melhorar nossa relação com dinheiro. Para fazer com que tenhamos nossa vida independente.
Fonte: https://steemit.com/pt/@julisavio/a-liberdade-financeira-nao-esta-apenas-atrelada-ao-fluxo-de-caixa-da-pessoa
Texto adaptado pelo Tags: economiaEducação FinanceiraInvestimentoliberdade financeiraMentalidadesalário