JPMorgan considera aos poucos oferecer investimentos em Bitcoin e Criptomoedas

Muito tem sido feito sobre as alegações de que o aumento do preço do bitcoin no ano passado foi causado por manipulação de mercado – especificamente transações relacionadas a “stablecoins”, como o Tether (USDT) – mas essa ação serve como um lembrete de que a manipulação existe em praticamente todos os mercados financeiros e é perpetrada por instituições financeiras regulamentadas.
Ironicamente, o JP Morgan foi multado em $65 milhões nesta semana por manipular o benchmark do dólar americano.
O CEO do JPMorgan Jamie Dimon tem sido um crítico aberto do Bitcoin, um ativo que ele chamou de “fraude” que é “pior que a bolha das tulipas”.
Dimon depois retribuiu esses comentários, mas, de forma irônica, o banco foi processado por cometer fraudes cobrando dos clientes taxas excessivas por compras de bitcoins feitas com cartões de crédito sem avisá-los antecipadamente. A instituição, como muitos de seus pares, proibiu os clientes de comprar criptomoedas com cartão de crédito. Leia também   A Inteligência artificial será indispensável no Brasil, diz diretor da Microsoft
Apesar das declarações públicas de Dimon, o JPMorgan tem mantido discussões por trás dos bastidores sobre como disponibilizar produtos de criptomoeda a seus clientes, começando com futuros de bitcoin.
Mais recentemente, a Bloomberg informou que o JPMorgan é um dos vários grandes bancos a considerar o lançamento de um serviço de custódia criptomoedas para investidores institucionais. A falta de custódia regulada é uma das razões pelas quais muitos analistas acreditam que as instituições relutam em investir em cripto-ativos. Tags: ativos digitaisBitcoinCripto-ativosCriptomoedasInvestimento em BitcoinInvestimento em CriptomoedasInvestir em BitcoinJP Morgan