O trabalho como conhecemos mudou e você precisa se adaptar

As gerações millenials e a “Geração Z” estão sempre recebendo críticas sobre seus ideias em torno do “local de trabalho”. É certo de que os millennials esperam muita liberdade de seus empregadores. Ainda assim, 84% relatam ter esgotado suas cargas de trabalho excessivas.
Índice de conteúdo O futuro do trabalhoReciclagemRecapacitaçãoPlanejamento antecipadoTrabalho remotoFreelancers são mais produtivos O futuro do trabalho
No entanto, a corte de funcionários pós-1980 está realmente inspirando ideias significativas. Essas idéias mudarão o futuro do trabalho como o conhecemos. Isso está de acordo com um novo estudo da empresa de pesquisa de recursos humanos Inavero. E também do site freelancer Upwork. Os estudos revelaram quatro maneiras principais sobre as mudanças no conceito de força de trabalho.
Essas formas se resumem ao autodesenvolvimento, ao trabalho remoto, autônomos e em estratégias voltadas para o futuro. Sobre esses conceitos centrais, o relatório encontrou uma grande divisão ideológica entre baby boomers e a geração X. Os “X” são aqueles nascidos de 1965 a 1981. Em um extremo, e jovens millennials e a Geração Z no outro. Reciclagem
Por exemplo, apenas um em cada 10 baby boomers se sente pessoalmente responsável pela reciclagem. Já que a tecnologia ameaça a estabilidade de muitas carreiras tradicionais. Por outro lado, três vezes mais pessoas da geração Y e Z acreditam que o ônus está sobre elas. Em vez de terem um empregador, esperam desenvolver novas habilidades. Leia também   Uber Works: Como funcionará o aplicativo de empregos do Uber
Enquanto isso, um relatório entrevistou mais de 1.000 gerentes de RH dos EUA. Assim, o relatório mostrou que os jovens gerentes estavam muito mais dispostos a aceitar solicitações de trabalho flexíveis. E de fato os querem para si mesmos – e depois para os colegas mais velhos.
Aqui estão as maneiras pelas quais a geração do milênio e a Geração Z estão reformulando a força de trabalho: Recapacitação
Com a automação de empregos um tema crescente de debate, quase todos os gerentes (96%) dizem acreditar que a requalificação é importante para os funcionários. No entanto, há uma divisão geracional na melhor abordagem. Embora a grande maioria dos baby-boomers sinta o ônus dos empregadores para o pessoal de reciclagem, os millennials e os Gerentes Z são mais propensos a procurar proativamente esquemas de autodesenvolvimento e treinamento. Planejamento antecipado
Os gerentes de geração mais jovens têm mais probabilidade do que os mais velhos de considerar o planejamento futuro da força de trabalho como uma das principais prioridades. Na verdade, eles são quase duas vezes mais propensos do que os baby boomers a progredirem no desenvolvimento de uma estratégia de talentos flexível, bem como em investir em tecnologia para apoiar uma força de trabalho remota. Leia também   Litecoin (LTC): tudo sobre a criptomoeda Trabalho remoto
Gerentes de geração mais jovens são mais propensos a adotar o trabalho remoto, tanto para seus funcionários quanto para seus funcionários. Três quartos (74%) dos gerentes da geração Y e da Geração Z têm membros da equipe que trabalham uma parte significativa de seu tempo remotamente, contra 58% dos baby boomers. Em 2028, 73% de todas as equipes deverão ter funcionários remotos. Freelancers são mais produtivos
Os gerentes da geração do milênio têm duas vezes mais chances que os baby boomers de aumentar seu uso de freelancers nos últimos anos, e espera-se que continuem aumentando seu uso daqui para frente. Isso se deve ao valor que eles vêem em termos de produtividade e eficiência de custo.
“À medida que as gerações mais jovens ascendem na força de trabalho e se tornam a maioria dos gerentes na América corporativa, elas vão reformular o trabalho como o conhecemos”, disse Kasriel.
Millennials e Gen Z atualmente representam pouco mais de um terço da força de trabalho (38%). Assim, na próxima década, esse número deverá chegar a 58%. Tornando as gerações jovens as mais dominantes no mercado de trabalho. Portanto, também virá um número maior deles em cargos gerenciais. Atualmente, 48% dos gerentes de geração mais jovens têm nível de diretoria ou superior. Leia também   Caixa arrecada R$ 7 bilhões com venda de ações
Kasriel explicou que isso mostra funcionários podem esperar mais apoio de seus gerentes. Assim tendo mais liberdade para estruturas de trabalho flexíveis.
“Por isso, o tradicional emprego formal das 9h as 17h não é para a vida que essa geração leva”, disse. “Eles são flexíveis, são nascidos e criados na era digital. Onde a aceleração da tecnologia acelerou exponencialmente ao longo do tempo.
“Em outras palavras, à medida que essa mentalidade se difunde, modelos de trabalho tradicionais e arcaicos são abandonadas. Assim, em favor de uma força de trabalho flexível e remota. Trabalharão com mais freelancers, investirão em novas habilidades e capacitarão suas equipes a trabalhar remotamente“.
Concluindo, sabemos que é hora das pessoas se adaptarem ao século 21 e mudarem a forma com que trabalham. Pois acreditamos que trabalho é algo que se faz e não um lugar para onde se vai.
Fonte: CNBC Tags: Baby boomersFreelancersFuturo do trabalhoGeração XGeração YGeração ZMillenialsProdutividadetrabalhar de casaTrabalhoTrabalho remoto