Vale a pena Investir em Fundos Imobiliários? Quanto rende?

Investidores mais conservadores geralmente optam por Fundos Imobiliários. Também pode ser uma boa opção para quem está ingressando no mercado.
Por ser uma opção de baixo investimento e com baixos riscos, os Fundos Imobiliários vêm chamando a atenção. Até mesmo investidores conservadores tem colocado capital na modalidade por apresentar baixos riscos.
Entretanto, apesar de ser uma forma de investimento com valor inicial baixo, o retorno é de médio a longo prazo. Por isso, antes de investir, é importante que se analise as características de cada fundo, visto que podem ser compostos.
De forma mais objetiva, quando se opta por Fundos Imobiliários, nada mais é do que adquirir parte de um imóvel. Assim, deve-se considerar todas as variáveis como se estivesse adquirindo um imóvel como um todo.
A seguir, iremos lhe demonstrar as vantagens e benefícios de se optar pelos Fundos Imobiliários. Como também lhe apresentaremos os riscos e dicas de como entrar nesse mercado. Quanto rende os Fundos Imobiliários?
Apesar de se ter alguns riscos e ser um investimento com retorno de médio a longo, FII’s são bem rentáveis. Para se ter uma ideia, até o primeiro trimestre de 2018, a carteira da corretora Rico acumulava uma rentabilidade de 10,53%. Leia também   Corretoras taxa zero 2019: melhor corretora brasileira
Em comparação à investimento de renda fixa como o CDI, os FII’s renderam cinco vezes mais. Portanto, para quem prefere arriscar mais, mas ter um retorno maior, é um investimento a se pensar.
Quais são os ricos de se investir em Fundos Imobiliários?
Mesmo sendo relativamente rentáveis, e com baixos riscos, eles ainda existem. Logo, é importante que se analise todas a variáveis caso você pretenda começar com o pé direito: Perda de parte do valor investido: Da mesma forma que ao comprar um imóvel você corre o risco de desvalorização, com os FII’s não é diferente. Assim, caso precise vender a cota na baixa, poderá perder algum valor Liquidez: Caso um FII não possua liquidez, pode ser que o investidor tenha que dar um desconto. Com o objetivo de liquidar o quanto antes o investimento, se necessário Vacância dos imóveis: se o imóvel que compõe o fundo não estiver alugado, isso pode comprometer o rendimento Inadimplência: da mesma forma que a vacância atrapalha o rendimento, com a inadimplência não é diferente. Logo, se o inquilino deixa de pagar o aluguel, o investidor não obterá retorno Atraso das obras: fundos também são criados a fim de garantir os rendimentos durante a construção do empreendimento. Entretanto, pode ser que a obra atrase, e o fundo não consiga cobrir por muito tempo Tributação: os rendimentos dos Fundos Imobiliários são tributados em caso de venda. Ou seja, caso o FII adquirido tenha valorizado, e você o venda, terá que pagar tributos. Leia também   Dá para viver de renda com Fundos Imobiliários? Quais são as vantagens de se investir em Fundos Imobiliários?
Como todo tipo de negócio, há seus prós e seus contras. Apesar de todos os riscos demonstrados anteriormente, os Fundos Imobiliários possuem também várias vantagens: Baixo valor de investimento: Se somar o valor de uma cota ao custo de corretagem, esse custo pode chegar a R$ 150,00. Pode ser que o valor seja ainda menor, caso opte por uma corretora taxa zero Praticidade: Você não precisará procurar por inquilinos ou ainda compradores para os imóveis. Além de ficar isento de manutenção, documentos e afins. Tais tarefas ficam a cargo do prestador de serviço. Valorização: Para se ter acesso aos valores atualizados do seu investimento, basta acompanhar a Bolsa de Valores. Posto que por ela são negociadas as cotas Aumento dos aportes: o investidor pode aumentar o investimento de capital no fundo de forma gradativa. Com isso, ele possuirá um rendimento maior Venda de parte das cotas: caso surja alguma emergência, o investidor não precisa vender o total de cotas. Assim, ele pode vender apenas uma parte e continuar a ter rendimentos Diversificação: como os Fundos Imobiliários não exigem altos valores para se investir, o investidor pode optar por carteiras diferentes. Ou seja, com imóveis diferenciados, como comerciais ou residenciais Isenção de impostos: O fundo que possuir mais de 50 cotistas, e nenhum deles possua mais que 10% das cotas, isentam do IRPF Leia também   Guia definitivo de franquias: 50 franquias para investir
Tags: FIIFundos ImobiliáriosImobiliárioInvestimento